A disposição das carteiras na sala de aula

Eu sei que esse assunto é complicado porque nem sempre há lugar na sala para os alunos que temos, então falar da disposição das carteiras pode parecer uma utopia. A disposição tradicional (em fileiras) pode ser a que abriga o maior número de carteiras na sala e portanto a mais prática, mas não é a mais eficiente do ponto-de-vista didático.

Trabalho há anos (desde 98) com as carteiras em círculo e essa é a melhor disposição em minha opinião. Se não há lugar para todos os alunos em um grande círculo, por que não um círculo maior com outro menor no centro deste?

Claro que esse “círculo” seria aberto na parte da frente da sala, dando passagem para o professor. Dessa forma o professor, à medida em que explica, passeia por entre os alunos, e pode dar sua aula alternando-se entre o quadro (ou a frente da sala, onde pode haver também um aparelho de DVD) e o centro do(s) círculo(s).

As vantagens são inúmeras porque o professor (mesmo que haja dois círculos, um dentro do outro) tem um contato visual direto com todos os alunos durante a aula e pode – pela expressão de seus olhos – perceber o quanto cada aluno está entendendo de sua aula.

Aula participativa

Para conseguir uma aula mais participativa a formação em círculo facilita muito, porque o professor pode interagir com todos os alunos e não apenas com aqueles que estão na frente da sala. A formação em fileiras privilegia os alunos que se sentam mais à frente e deixa os alunos do “fundão” livres para dedicarem-se a outras atividades, nem sempre relacionadas ao assunto da aula.

O aluno que senta-se ao fundo da classe também tem problemas para ver (há toda uma fileira de cabeças movimentando-se à sua frente) e o quadro nem sempre é visto com a precisão necessária para ler ou entender o que nele está escrito. Seu entendimento também fica prejudicado porque não consegue ouvir direito, muitas vezes a voz do professor chega até ele abafada ou misturada a outros ruídos da sala de aula ou do exterior.

Todas essas dificuldades transformam-se em estímulos negativos para os alunos que se sentam nas últimas carteiras de cada fileira, de forma que a formação em círculo (ou círculos) me parece mais “democrática”, pois todos são expostos aos estímulos com a mesma intensidade e – como o professor tem um contato visual por igual com todos os alunos – esse estímulo pode ser reforçado nos alunos que apresentam tendência a “ausentar-se” em espírito.

Mais conversas paralelas

Os professores que não gostam dessa disposição geralmente apontam como uma desvantagem dessa forma de disposição o aumento das famosas e incômodas “conversas paralelas”, mas a meu ver elas podem ser facilmente erradicadas com medidas como: mudança de alunos de lugar, colocando os “gêmeos siameses” em carteiras afastadas; conduzir a aula com perguntas diretas, que são formuladas e depois um aluno é apontado para responder (essas perguntas nada mais são que uma “construção” do aprendizado, partindo-se do conhecimento anterior do aluno para introduzir a matéria nova); apresentação de aulas dinâmicas, nas quais o aluno passe de mero expectador a parte atuante na construção do aprendizado; introdução de técnicas diferenciadas, jogos, disputas, trabalhos em pares e grupos, que despertem o interesse e a curiosidade dos alunos.

O aluno se distrai com conversas paralelas sempre que o assunto da aula torna-se pouco interessante para ele. Infelizmente nem sempre o que temos que passar é algo estimulante e inovador, mas podemos dar-lhe uma “roupagem” interessante e estimulante. Não há nenhuma regra dizendo que a aula “precisa” ser chata, nós é que a tornamos assim na medida em que a transformamos em longas e monótonas preleções sobre algo que dominamos perfeitamente mas que para os alunos não passa de um blá-blá-blá interminável sobre algo que ele não entende a razão de ser.

Mudar as carteiras de lugar não irá assegurar que seus alunos aprenderão mais ou que conversarão menos, mas regras (poucas e claras), formas interessantes de introduzir os tópicos, participação de todos, desafios e jogos tornarão com certeza essa disposição um aliado no aprendizado e na manutenção da disciplina.

Leia também: Métodos de Ensino


2 Respostas

  1. Gostaria de saber todos os tipos de disposição tanto para sala de aula como qualquer tipo de palestra ou apresentação.

    1. Olá Sandro:
      As disposições mais frequentes são: círculo, semi-círculo e o método convencional, em fileiras.

%d blogueiros gostam disto: