Seu aluno ouve bem?

Há várias causas para a deficiência no aprendizado e elas podem ser de vários tipos: físicas, neurológicas, emocionais. Poderia até juntar “espirituais” para aqueles que acreditam nisso. Mas não importa muito em que você acredita, se for um professor atento poderá perceber alguns “sinais” em seu aluno (principalmente aquele que tem um rendimento abaixo da média) e quanto antes você se comunicar com os pais dele para que tomem providências, maiores serão as chances de cura e de consequente reabilitação na escola.

Alguns “sinais” podem indicar que seu aluno não vai bem simplesmente porque não escuta bem. Aluno distraído, que nunca sabe do que você está falando, que frequentemente olha nos seus lábios enquanto você está falando ou que só escuta quando você fala olhando para ele podem indicar que ele tem uma deficiência auditiva.

Os casos mais graves são detectados mais cedo, pois interferem na fala e são tratados antes de o aluno entrar para a escola regular. O problema são os alunos que têm um problema brando, não suficiente para ser percebido mas que pode atrapalhar bastante na escola, principalmente se for uma classe com alunos irrequietos e barulhentos, ou uma classe com as janelas voltadas para a rua, por onde entre o ruído dos carros e pedestres.

Há inclusive um estudo sobre a diminuição da audição na adolescência e o crescente número de casos de problemas auditivos, devido ao uso constante dos mp3, com o volume muito acima do recomendado pelos especialistas. Seu uso prolongado e sem uma supervisão por parte dos adultos para verificar se o aparelho não está acima de níveis recomendados, pode causar inclusive a perda total da audição.

Eu mesma tive um aluno que ia muito mal, e percebi que ele só conseguia repetir as falas corretamente quando estava muito perto da TV, e quando eu lhe fazia uma pergunta tinha sempre que repetir e ele ficava olhando meus lábios enquanto eu perguntava pela segunda vez. Entrei em contato com os responsáveis e foi constatado que devido a crises frequentes de bronquite quando bebê, uma infecção secundária e crônica havia se instalado no ouvido médio, dificultando a audição.

A criança foi encaminhada pelos responsáveis a um especialista e a partir do início do tratamento começou a apresentar mudanças (para melhor) em seu comportamento e desempenho em sala de aula.

Portanto, fique de olho em seu aluno. Nem sempre o aluno que está sempre distraído e nunca sabe do que você está falando é preguiçoso ou displicente. Talvez ele não esteja ouvindo você.

Leia também: Professora novata sofre


Anúncios
%d blogueiros gostam disto: