A professora que dançou “todo enfiado” deveria ter sido demitida?

Professor, queira ou não, é formador de opinião. É exemplo. E um ato vale mais que mil palavras. Ou não. Até que ponto nós professores temos direito a “fazer o que quisermos da própria vida” sem macular a imagem de educador? Até que ponto podemos nos permitir dar “mau exemplo”? Não sou moralista, do tipo que vive apontando o dedo para o próximo ou para suas ações, mas acho que até para termos nossa vida pessoal temos que respeitar alguns limites. Dependendo de como agimos em nossas horas (poucas) de folga, nossa vida privada pode acabar invadindo nossa profissão.

E foi o que aconteceu com a professora baiana que dançou a música “todo enfiado” da banda “o troco”, foi filmada e o vídeo foi parar no YouTube. Bombou. E o falatório foi tanto que demitiram a moça, que dava aulas para crianças de 5 a 7 anos. Ela alega que tinha bebido (?) e que não estava portanto em seu “estado normal”. Não vou colocar o vídeo aqui porque esse blog não se destina a esse tipo de “apresentação” mas coloco aqui o link. Julgue você mesmo.

No lugar da diretora, você demitiria a moça? Ela extrapolou em seu direito de ter uma “vida particular”? Como você reagiria se ela fosse professora de seu filho? E ela também tem uma filha, de 7 anos. Não se trata aqui de julgar o comportamento da moça, mas de analisar até que ponto estamos a salvo nessa sociedade onde há câmeras em todos os lugares. Até que ponto o que fazemos “no privado” tem garantias de que permanecerá assim?

http://www.youtube.com/watch?v=MKpdEkM_7RE

Leia também: Formar ou informar?

41 Respostas

  1. como e que voce faz isso curta ate voce guenta beijos

  2. acho que ela não deveria ter sido demetida…pq e a vida dela fora da escola,não diz respeito ninguém…

    1. Burra, burra, burra !!! Se a professora é uma vaca você é uma jumenta!!!

      1. e vc é viado seu otário

        1. Olá pessoal
          Vamos manter a educação, ok? Todos têm o direito de emitir sua opinião sem serem ofendidos.
          Agradeço a colaboração
          Um abraço
          Zailda Coirano

    2. Gracyelly
      Mesmo se o vídeo bomba no YouTube e todo mundo vê o que ela fez “fora da escola”?
      Um abraço
      Zailda Coirano

  3. Márcia Emidio de Menezes

    Acho que a pessoa tem saber aceitar as concequencia de seus atos e é isso que não está acontecendo com essa professora, pois quer dá uma de coitada.
    Acredito que seria muito mais fácil se ela assumisse tudo pois quem tá na chuva é pra se molhar.
    Nós vendemos nossa imagem e ela vendeu a dela, tá reclamando de quê agora é só continuar dançando o todo enfinhado e pronto.

    1. Olá Márcia!
      Dei muita risada com o seu comentário. Tem razão, ela já fez a “propaganda” dela, já conseguiu o que queria, então que continue dançando o “todo enfiado” e pronto. Gostei!
      Um abraço
      Zailda Coirano

  4. Essa professora, como todos tem direito de fazer uso da vida como bem quiser e entender, ela não pode dançar a musica todo enfiado por que é professora, mais outras pessoas podem?O que importa é a maneira dela em sala de aula, o modo de ensinar e cativar as crianças, quem nunca errou por quaisquer motivos que sejam que atirem a 1° pedra.

    1. Olá Danielle
      Se pedirem a minha opinião, eu diria que “ninguém deveria dançar todo enfiado” porque – fala sério – para mim é um despropósito um estranho puxar a calcinha de uma mulher “em público” e ainda por cima enfiar você sabe onde.
      Dançar tudo bem, mas isso é dança? Dançar justifica a banalização da figura da mulher? Se alguém vê isso vai achar que só porque eu ou você estamos dançando essa música vamos aceitar que faça o mesmo conosco.
      Eu, de minha parte, não aceitaria. E nem é por ser professora. Com certeza ia dar polícia.
      Um abraço
      Zailda Coirano

  5. ela tem q ser demitida pq isso e um mal exemplo para todos e principalmente para sua propria filha de a penas 7 anos de idade

  6. eu acho que ela tem que ser demitida do cargo de professora pois ela fes uma coisa que dava pra o posto de danssarina de cabare ridicularisando sua profisão e sua imagem.. porisso que eu falo que se ela fas isso a filha também ira faser….

    1. Burra, burra, burra !!! Se a professora é uma vaca você é uma jumenta!!! Aprenda a escrever !!!

  7. Acho que não , ou melhor tenho certeza que não , pois ela cooncerteza sabe diferenciar o profissional de sua vida privada , ela como qualquer outro ser humano tem o direito de se divertir e ser uma pessoa normal.Já pensou se todas as profissões fosse assim viver 24 hs por dia exercendo sua profissão.A professora acredito eu não deve fazer essas coisas em sala de aula , e o lugar que ela estava foi feito para dançar e não lecionar.Todos somos livres para fazer o que queremos ate nossos limites e ela também.

    1. Olá
      Tchully, a professora pode até saber a diferença entre a vida profissional e a privada mas nós vivemos em sociedade e com certeza essa nos cobra um alto preço pelos nossos atos, o ser humano é composto de várias facetas e não há como não transferir o comportamento de uma pessoa em sua vida privada para a vida profissional. Se alguém é desonesto na vida pessoal, aposto quanto você quiser que também será desonesto na vida profissional. O ser humano é composto de várias facetas mas cada um age de acordo com seus valores morais em qualquer circunstância, seja como profissional, como cidadão ou em sua vida particular.
      Um abraço
      Zailda Coirano

  8. a professora

  9. Lendo os comentários das pessoas acima vejo o quanto tem burro neste país. Gracyelly com “demetida”, “ela fes”, “danssarina”, “ridicularisando”, “fas”, “faser”. Aprenda a escrever antes de criticar outra pessoa, sua burra ignorante!!!

  10. Questão de educadora á parte: Deixo aqui postado o fato da

    mulher brasileira em não se dar valor ….porra!

    MULHERES VALORIZEM -SE . Liberdade é outra coisa ,essa aí

    chama-se vagabundagem !! No video o cara ,o cantor escroto!

    puxa a calcinha dela , alias, o fio , ela mostrar pra todos os

    celulares , poxa fia!! Um pouquinho de dignidade. Agora vai ser

    atriz pornô, com certeza vai ganhar mais que o salario de

    professora!!

    1. Olá Silvana
      Concordo com você que a figura da mulher vem sendo muito vulgarizada e mesmo ridicularizada em alguns setores da música, basta ver as letras e a forma de dançar. Não sei se as mulheres acham “bonito” vulgarizar-se a esse ponto, mas creio que algumas coisas têm que ser “guardadas” para a vida íntima, não são passos de dança de forma nenhuma. Esse ato então, de enfiar a calcinha nas partes íntimas da mulher me parece além de tudo de extremo mau gosto.
      Um abraço
      Zailda Coirano

  11. Eu demitiria e teria vergonha dos alunos da instituição. Falta de de dignidade, de carater! Todo mundo que bebe sabe o que está fazendo, se ela estivesse ruim mesmo, nem conseguia ficar em pé. O négocio é que ela é safada, vadia, sem vergonha, sem pudor. Independente da profissão a pessoa deve se valorizar. Agora ela trabalha de atriz pornô. Inclusive perdeu muito tempo como professora. Quem não tem carater e moralismo não consegue transmitir a alunos que de 5 a 7 anos que ainda não tem opinião formada. Fora puta!

  12. Nossa esso foi o fim….eu achei um absurdo…estudo pedagogia…e nocurso ja falamos sobre a moral de um professor..tudo bem que fora da sala de aula a vida é dela e ela faz o que quer….so que quando descidimos fazer esse curso….devemos parar e penssar em como vai ser a nossa vida…pois um professor deve ter respeito e carater…..
    lamento muito!!!!!professorinha baixa e sem principios!!!!!

    1. Olá Izabel
      O que eu acho é que a pessoa para exercer uma profissão tem que ter um determinado “perfil” e ao que parece a professora em questão não tinha esse “perfil” para ser uma “educadora”. Veja bem, não vai aí qualquer censura aos atos dela, cada um tem o direito de escolher fazer o que quiser em sua vida privada, mas também ter o bom senso de escolher uma profissão condizente com suas inclinações pessoais.
      Um abraço
      Zailda Coirano

  13. Eu Acho , que ela não deveria ser demitida.pq o que ela faz e deixa de fazer não é da conta de ninguem ..

    1. Olá Thainá
      Não seria se ela mantivesse o que faz na vida privada “privado”. Quando o que fazemos no privado vem a público, acho que as pessoas (no caso, o empregador) tem o direito de escolher se quer ou não seu nome ligado aos atos da pessoa em sua “vida pública’.
      Um abraço
      Zailda Coirano

  14. que sociedade hipocrita, enquanto a professora e’ demitida, a apresentadora que fez filme ero’tico com um menino vira a rainha dos baixinhos, nao estou defendo a professora, e ela faz o que quiser com sua vida particular, se fosse famosa seria demitida, se fosse medica, arquiteta, psicologa, serioa demitida, a vida dela interfere com sua vida profissinal?
    um politico que rouba volta a politica,
    um padre pedofilo a igreja transfere, nao demite, chega de hipocrisia!!!

    1. Olá vam!
      A apresentadora fez o filme erótico profissionalmente e não em sua vida privada. A professora dançou mas o vídeo foi parar no YouTube, bombou e deixou de ser apenas “vida privada”, virou coisa pública. O padre pedófilo usa sua profissão e a confiança depositada nele por ser um clérigo para satisfazer suas perversões. O político vale-se de seu cargo para apropriar-se do que não é seu. Qual deles é o pior? Acho que o único que entrou de gaiato nessa história foi a professora, que nem imaginou a repercussão que sua dança teria. Mas enfim, parece que ela já arrumou outro emprego, em uma profissão que parece mais adequada para conciliar quem ela é na vida profissional e na vida privada.
      Um abraço
      Zailda Coirano

  15. É uma vababunda..

  16. So serve pra ser objeto na mão de homem !

  17. olha la eu quero deichar meus elogios a professora pela sua atitude e coragem de fazer o que tem vontade de mostrar sua beleza e o que tem de melhor, porem oa mesmo tempo quero parabenizar o despeitado que a filmou tentando benegrir e umilhar essa linda mulher garanto a vc que o sucesso da mesma saiu de sua baixa atitude

    1. Olá Neilton
      Se ela estava descontente com a profissão e queria arrumar outra, então conseguiu. Agora com certeza ninguém mais irá cobrar se ela dançar de novo.
      Mas acho que é isso, não podemos ter uma vida privada muito diferente de nossa vida profissional, cada profissão exige profissionais com determinado “perfil” e é isso o que garante que o profissional não vá fazer em sua vida privada algo que destoe completamente de sua profissão.
      Ninguém é escravo da profissão, mas na hora de escolhê-la devemos escolher algo que realmente tenha a ver com quem somos e com o que acreditamos ser importante, para evitar que a vida pessoal e a privada (sem intenção de fazer trocadilho) entrem em choque.
      Um abraço
      Zailda Coirano

  18. Acho que não deveria ter sido demitida…Não acho que ela tenha feito nada mal ou errado,afinal a vida privada dela não interessa a ninguém…A mulher é linda…sabe dançar…e é professora. Também faço dança do ventre e sou professora.Tenho três filhas,um casamento de 11 anos..e não sou vagabunda nem nada desse tipo. Tenho um corpo lindo..e dançar é uma arte…Não julgo os atos dela..até porque eu acho que o importante é o que ela faz na sala de aula,como profissional e educadora. Se fosse para julgar algo,julgaria o fato da falta de respeito que a mulher brasileira tem por si…Não a condeno por ser dançarina e professora.

    1. Olá Cacau
      Não tenho nada contra a dança do ventre, nada contra a atitude da moça também, só acho que temos que escolher uma profissão condizente com nosso modo de viver e pensar.
      Como dançarina até poderia não pegar mal dançar como ela dançou, mas como professora…
      Também não acho que uma mulher deva se expor ao ridículo (desculpe mas aquele lance de um estranho enfiar a calcinha dela em público para mim foi no mínimo ridículo) só porque sabe dançar ou tem o corpo bonito.
      Opinião minha.
      Um abraço
      Zailda Coirano

  19. VOU SER CURTA E GROSSA ELA ESTAVA PARESSENDO UMA PUTA NAO VOU ME ENDENTIFICAR

  20. Esse é um problema complexo que envolve delicadas questões éticas e culturais, não se pode ser resolvido apenas pensando a moralidade.

    1. Olá Max!
      Claro que há muita coisa envolvida, mas minha proposta de discussão era “até que ponto o que fazemos em nossa vida privada interfere em nossa vida profissional”. O caso da professora foi citado apenas para ilustrar o debate.
      Um abraço
      Zailda Coirano

  21. essa professora tem o direido de fazer o que ela qiuzer mais ela tinha que ter moderado mais um pouquinho….

  22. É complicado falar em moderação com uma sociedade com a nossa.
    Vivemos um momento em que pessoas “passam dos limites” muitas vezes por influência do modo de vida ou de outros fatores, como a cultura em que se tem contato, onde a sociedade é responsável por essa transformação e não se reconhece como culpada jogando a culpa em bodes expiatórios.

    Minha postagem não passa de uma tentativa de frear os taques à professora, que em meu intender, não cometeu ato condenável algum se não o de pertencer à sociedade em que vive, vamos pensar da seguinte forma:

    Se não fosse uma professora, seria mais ou menos aceitável ou agressivo o seu comportamento?

    O que ele fez é um crime? E em que ponto ele pode ser chamada de culpada?

    Quantos pais que são (esses sim) responsáveis pela educação de crianças não só permitem mais como também incentivam essas práticas e nem por isso são culpados pela sociedade por não dar uma educação mais voltada para a cidadania e sim uma liberdade perigosa que pode comprometer o desenvolvimento da criança? De que adianta tanto puritanismos se os sustentáculos são insuficientes?

  23. no post anterior onde se ler “ele”, leia ELA.

  24. podemos demitr pessoas do cargo de pai ou mãe por isso?

%d blogueiros gostam disto: