Professor educador

Acho muito sugestivo dizer que ‘atuamos na área da educação’ e levo isso muito a sério, para mim o professor não é apenas um agente informador, ele tem como parte de suas funções educar. E por educar entenda-se ‘capacitar o ser humano para exercer sua atividade profissional e adequar-se da melhor forma possível à vida em sociedade’.

Essa é a minha visão da educação em sua forma mais ampla, portanto nunca faço vista grossa ao comportamento inadequado dos meus alunos, considero que devo agir também nessa área e não somente ensinar inglês.

Quando alguém se intitula ‘professor’ recebe uma missão, que é guiar os seus alunos, portanto passar informação apenas não basta. Tenho colocado aqui alguns posts sobre alunos-problema com algumas sugestões de como lidar com eles apenas como forma de abrir um tópico para diálogo, eu não sou dona da verdade nem tenho todas as respostas – quem me dera as tivesse!

Alguma coisa a gente vai testando e se ao longo dos anos vão dando certo a gente vai adotando como norma de conduta, outras que se mostram pouco práticas ou de resultados duvidosos, a gente vai descartando. ‘A gente’ no caso sou eu, claro.

Imagino que muitos (ou alguns) de meus colegas concordam com essa minha forma de pensar, portanto atuam também nessa área, porque acredito que de nada adianta ensinar todas as fórmulas de química ao aluno se ele não souber como fazer uma prova e cometer todos os erros possíveis. Ele vai conseguir um resultado pífio, mesmo sabendo a matéria. E de que vale saber conjugar verbos corretamente se a pessoa tem uma conduta que inviabiliza a manutenção de um emprego?

Entendo que os pais que colocam seus filhos numa instituição de ensino privada ou que os matriculam em um curso de inglês estão pensando em seu futuro, não somente no vestibular mas também em uma carreira vitoriosa e com a qual possam ter uma vida confortável.

Infelizmente (ou felizmente) para se alcançar êxito profissional não adianta apenas conhecer a teoria da coisa, é necessário também adotar algumas atitudes como profissional e como pessoa para trilhar os caminhos futuros da forma mais suave e confortável possível.

Analisando o professor não só como agente informador mas também como um formador de caráter e de opiniões, centrarei algumas postagens nesse tema a partir daqui. O assunto já foi tratado mas de forma superficial, espero agora aprofundar-me mais para conseguir novas respostas e para juntos encontrarmos um caminho que nos leve a cumprir mais essa missão.

Lei também:

Essa porcaria de chiclete

%d blogueiros gostam disto: