Aluno que não consegue interpretar textos

Muitos pais escrevem pedindo soluções para filhos que não conseguem interpretar textos. A resposta é da colaboradora Victoria Betzabe, do Kumon:

Esse quadro é mais comum do que se possa imaginar. Acredito que no país inteiro.

Podem haver vários motivos.
A maioria desses casos vem de séries anteriores, onde o aluno decora uma série de conceitos, mas não sabe identificar na leitura, por exemplo: substantivo e adjetivo, muito menos, quem fez, o quê – Sujeito e predicado.
E a partir daí uma série de outras informações, como: quando, como, onde e porque. Informações essenciais para a compreensão do texto. Isso associado a um vocabulário não condizente à complexidade necessária da série estudada.
Há também que se verificar como é a entonação das frases durante a leitura. O aluno faz a flexão correta numa pergunta? E numa exclamação? Dá as pausas adequadas nas vírgulas e pontos?
No Kumon é trabalhado o aluno, para que aprenda a identificar as informações já citadas, através da prática da leitura, sem conceitos elaborados. E com textos (curtos) muito próximos do seu cotidiano, com muitas imagens, permitindo ao aluno imaginar as cenas dos textos.
É exigido, no material didático, a grafia correta das palavras, já que são retiradas do texto, assim como, a leitura em voz alta e a entonação correta.
conforme o aluno evolui no curso, o nível de complexidade evolui, mas por ter trabalhado numa seqüência, o aluno não sente dificuldade.
Existe uma bibliografia recomendada de livros para a leitura diária dos alunos, que vão desde alfabetização (A chuva, O Baile), até obras mundiais ( Macbeth de Willian Shakespeare) passando por grandes escritores brasileiros ( O Alienista de Machado de Assis, ou Marília de Dirceu de Gregório de Matos Guerra).
Durante a entrevista inicial o orientador faz um teste para entender melhor a causa do problema e, com base na observação do aluno, no relato dos pais e do resultado do teste, faz um planejamento de estudo comunicando aos seus responsáveis as metas propostas deacordo com sua individualidade.

2 Respostas

  1. Sampa (caetano veloso)

    Quando eu te encarei frente a frente não vi o meu rosto
    chamei de mau gosto o que vi
    de mau gosto, mau gosto
    é que Narciso acha feio o que não é espelho
    e a mente apavora o que ainda não é mesmo velho
    nada do que não era antes quando não somos mutantes

    E foste um difícil começo
    afasto o que não conheço
    e quem vende outro sonho feliz de cidade
    aprende de pressa a chamar-te de realidade
    porque és o avesso do avesso do avesso do avesso

    Do povo oprimido nas filas, nas vilas, favelas
    da força da grana que ergue e destrói coisas belas
    da feia fumaça que sobe apagando as estrelas
    eu vejo surgir teus poetas de campos e espaços
    tuas oficinas de florestas, teus deuses da chuva

    Panaméricas de Áfricas utópicas, túmulo do samba
    mais possível novo quilombo de Zumbi
    e os novos baianos passeiam na tua garoa
    e novos baianos te podem curtir numa boa.

    1. Bem, essa é uma de minhas músicas favoritas, e se seu professor pediu que a interpretasse acho que tem muito bom-gosto.

%d blogueiros gostam disto: