Múltipla escolha: desafio ou facilitador?

Tenho bons alunos que não se saem bem em provas de múltipla escolha e outros nem tão bons que obtém resultados excelentes. Acredito que quando se opta por uma prova de múltipla escolha deve-se tomar cuidado para não deixar as respostas tão óbvias que o aluno consiga resolver sem muito conhecimento, nem tão cheias de armadilhas onde até o aluno mais preparado possa cair.

A famosa “pegadinha” deve ser evitada ao máximo, a não ser que o assunto tenha sido divulgado em sala antes da prova (o uso de falsos cognatos, por exemplo) porque podem induzir o aluno ao erro, mesmo que ele domine a matéria, que é o que se quer medir com a prova.

O objetivo da prova é definir quanto o aluno apreendeu da matéria ensinada e não se ele é esperto. Por isso condeno as “pegadinhas” no geral. Em alguns casos e tópicos pode ser usada, mas sempre com cuidado para não prejudicar o bom aluno.

De forma geral as provas das escolas e concursos mais renomados têm 2 alternativas que podem ser eliminadas de cara se o aluno tiver um bom conhecimento, e duas que exigirão um grau maior de atenção. Aconselho que ao preparar uma prova de múltipla escolha observe essa proporção para evitar surpresas desagradáveis quando for corrigí-las.

Uma prova de múltipla escolha pode ser mais fácil de corrigir, e acredito que por isso é cada vez mais utilizada por professores e instituições de ensino, mas limita muito o aluno. Ele é um mero marcador de “x” que não acrescenta nada de si ao fazer a prova. Aliás meus alunos costumam chamar provas de múltipla escolha de “prova de x”.

Outro item que deve merecer muito cuidado na hora da elaboração desse tipo de prova é o enunciado das questões, porque deve ficar muito claro para o aluno o que se espera dele. Provas com enunciados confusos ou dúbios costumam produzir notas baixas e alunos insatisfeitos e frustrados com o próprio rendimento.

E lembre-se: a prova é apenas para medir o grau de aprendizado dos alunos e não uma ocasião para derrubá-los, portanto prepare sua prova com carinho.

Leia também:

  • O aluno aprende sem o professor?
  • Revisão de provas – aprendendo com os próprios erros
  • Ajudando o aluno a lidar com a frustração
  • Fim de ano, hora de balanço geral
  • Qual a matéria mais importante na escola?
  • About these ads

    8 Respostas

    1. Parabéns pelo o assunto abordado…

      Zailda responde:
      Obrigada e volte sempre!

    2. Nelson César Pedro

      sou um moçambicano estudante do mestrado em educação pela universidade pedagogica, e gostaria de conhecer as desvantagens e vantagens que existem em relação aos testes de multipla escolha muito em particular em turmas numerosas.

    3. Nelson César Pedro

      Tenho desenvolvido a actividade de docencia numa escola em que o número é elevado. Sempre que dou teste de perguntas abertas evidentemente que o tipo de respostas é diversificado. o qu e me inquieta é que sempre que é um teste de multipla esolha os alunos proximos na localização dentro da sala apresentam o mesmo tipo de respostas isto é erram as mesmas alternativas e acertam as mesmas alternativas EX: dois alunos colegas de carteira podem acertar de 1 a 4 e errar de 5 a , voltar a errar de 7 a10. portanto isto é fraude. o que põe em causa o real objectivo da avaliação. como contornar este fenómeno vamos pensar porque Moçambique está tão feliz com o método, mas para mim é uma Bomba relógio.

      1. Olá
        Eu trabalho numa escola ao estilo americano, as provas têm muitas questões e o tempo é cronometrado para o término das mesmas. Temos no mínimo 60 questões de múltipla escolha e ainda uma parte dissertativa, que no início (básico) vale apenas 20% da nota, mas que no final do nível intermediário já vale 50% do total.
        Além disso, temos até 6 tipos diferentes de provas, dependendo do número de alunos em classe, e as distribuimos de forma a que nunca um aluno esteja ao lado ou à frente de outro que tenha uma prova igual à sua.
        Como o tempo é cronometrado (têm 1 minuto para cada questão no início do curso, e cerca de 35 segundos no final) isso também inviabiliza a fraude.
        Mesmo assim o que me faz questionar as provas de múltipla escolha é porque o aluno não aprende a escrever ou interpretar o que lê, se tiver sorte consegue ser aprovado simplesmente marcando qualquer coisa. O fato de ele ter marcado a resposta certa não significa necessariamente que ele tenha aprendido alguma coisa.
        Um abraço
        Zailda Coirano

    4. […] Zailda Coirano: Olá Eu trabalho numa escola ao estilo americano, as provas têm muitas questões e o tempo é cronometrado para o término das mesmas. Temos no mín […]

    5. […] também: Múltipla escolha: desafio ou facilitador? Tags: educação, ensino, Escola, múltipla escolha, […]

    6. porra eu quero o site das resposta da prova multiplo escolha …

    Seguir

    Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

    Junte-se a 137 outros seguidores

    %d blogueiros gostam disto: